segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Paciência...



Superfície espelhada

Barco ancorado

Casco raspado

Frestas calafetadas


Reflexos

Côncavo-convexo

Suave coreografia

Falsa calmaria


Abaixo

Correntes

Correntezas

Profundezas

Agitam-me


As marés ainda não subiram

Água não entra

Amor não vaza


Só a saudade

navega em águas rasas


(Wania)



55 comentários:

  1. falsa calmaria:
    linda imagem e metáfora, Wania!

    Adorei.

    Um bjo, querida.

    ResponderExcluir
  2. si, ese cierre es perfecto. reflexivo escrito. me encantó.
    besos

    ResponderExcluir
  3. O mar dá sempre para escrever poemas!

    beijinho

    ResponderExcluir


  4. Paciência é uma qualidade.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. "Amor nao vaza".

    Adorei.

    Boa semana

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Ah!Mares...É o movimento, Wânia, é a correnteza que leva e traz coisas, desejos...E tudo pede paciência e poesia. Abraços

    ResponderExcluir
  7. Por vezes me afogo nela.
    O mar transborda poesias.
    É lindo. rs

    ResponderExcluir
  8. adorei...tive muita paciencia...se esta acabando...mas faço um esforço, e com a ajuda de vcs, meus amigos, estou conseguindo
    beijos minha querida Wania

    ResponderExcluir
  9. " Só a saudade
    navega em águas rasas "
    aaah lindo como sempre né? *-*
    A minha saudade esta navegando por água muito turbulentas ultimamente. Quase me afogo nela, mas existe sempre alguém pra me salvar.
    Beijos flor!

    ResponderExcluir
  10. Wania,

    Paciência, é minha irmã de berço. Ajuda e atrapalha.

    Lindo seu mar.

    "Só a saudade navega em águas rasas" [Fantástico]

    Beijos Poeta!

    Mirse

    ResponderExcluir
  11. Ancorado, repousa meu coração.
    Não há vento nem corrente,
    Monstro marinho ou simples gente
    Que consiga desviar meu barquinho,
    Tranquilo, de seu caminho,
    Devagar, devagarinho,
    Como quem vence a solidão.

    E se perguntarem vocês pela saudade,
    Dela direi ser um barco à vela
    Especiaria da índia, açafrão e canela,
    Ópio da alma, Cinderela
    E talvez filha do amor, de tenra idade,
    Pois que o amor navega sempre com ela.

    E nessas águas onde navega a saudade,
    Navega o sonho do impossível
    Que por ser sonho, tudo consegue.
    Da agua rasa, faz maré cheia
    E do impossível… realidade.

    ResponderExcluir
  12. Muito lindo, naveguei em seus versos. Beijo.

    ResponderExcluir
  13. Talita

    As calmarias, às vezes enganam...

    Fico contente em saber que gostou!
    Obrigada,
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Reltih...

    Tuas palavras são sempre um vento a favor!
    Movem barcos...

    Obrigada, amigo!
    Bjão

    ResponderExcluir
  15. Vieira

    Bom te ver por aqui!

    O mar, com certeza, dá pano pra manga e pra poesia tb...
    Obrigada por vir e comentar.

    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Tonho

    Tô achando que paciência é uma virtude, qualidade é pouco... penso eu...rsrsrs!!!

    Obrigada pela presença,
    Bjssss

    ResponderExcluir
  17. Georgia

    ...neste barquinho depois das frestas calafetadas, não vaza não, mas já vazou!!!!!

    Gosto quando me gostas,
    Obrigada pelo comentário,
    Bjs

    ResponderExcluir
  18. Mai

    O mar é um eterno leva e trás, realmente... ainda bem que temos a poesia para acelerar as horas, pois a paciência é aprendizado!

    Obrigada pela presença,
    Bjs

    ResponderExcluir
  19. Pri

    Eu tb, às vezes...

    Ahhh..o mar...infinito na grandeza e na inspiração!

    Agradeço teu carinho,
    Bjão

    ResponderExcluir
  20. Myra querida

    Paciência é sempre bom ter em estoque, mas as vezes quase acaba... sei bem! Aì, a gente acaba encontrando onde buscar mais seja do jeitinho que for!!!

    Obrigada pela presença carinhosa,
    Te gosto muito,
    Bjão

    ResponderExcluir
  21. sonho no mar
    suave maresia
    no teu barco remar
    ao infinito eu ia

    beijos!!!

    ResponderExcluir
  22. Roberta querida!

    Obrigada por estas palavras queridas!

    ...que bom que tem sempre alguém pra te salvar... tb uma florzinha desta quem iria deixar se afogar!!!!!!! Aproveita as tuas marés...

    Bjão, querida!

    ResponderExcluir
  23. Wania, realmente é uma calma aparente, as águas calmas na superfídie muitas vezes escondem fortes correntezas na sprofundezas. Muito lindo este poema cheio de contrastes!
    Um beijão.

    ResponderExcluir
  24. Mirse querida

    De mim ela é so prima e distante...risos! Não gosto de esperar, mas devo ter faltado esta aula então, tô repetindo outra vez...rsrsrs!!!!!

    Agradeço tuas palavras, que bom que tu gostou bastante, fico feliz, vindo de quem vem!

    Bjão, amiga!

    ResponderExcluir
  25. Sabe por que a saudade navega em águas rasas?

    Porquê ela tem sempre a esperança de que surja no horizonte, o farol que voltará a iluminar a alma. E encontrar enfim a paz do reencontro.

    Lindo, doutora da poesia.
    aAiás, como sempre.

    bjs querida!
    Rossana

    ResponderExcluir
  26. Oi, Chá de Malvas

    Ancorado, repousa meu coração.
    Não há vento nem corrente,
    Monstro marinho ou simples gente
    Que consiga desviar meu barquinho,
    Tranquilo, de seu caminho,
    Devagar, devagarinho,
    Como quem vence a solidão.

    E se perguntarem vocês pela saudade,
    Dela direi ser um barco à vela
    Especiaria da índia, açafrão e canela,
    Ópio da alma, Cinderela
    E talvez filha do amor, de tenra idade,
    Pois que o amor navega sempre com ela.

    E nessas águas onde navega a saudade,
    Navega o sonho do impossível
    Que por ser sonho, tudo consegue.
    Da agua rasa, faz maré cheia
    E do impossível… realidade
    .

    Tuas palavras são sempre belas e o que dizes mais ainda...

    Os sonhos são poderosos, e quem disse que são impossíveis? Da água rasa faz maré cheia...


    Obrigada pela tua presença, mesmo que não queiras me dizer quem és,
    Bjs

    ResponderExcluir
  27. Wania, carissima, eu me perdi nessa solidão de mar e sensações de ondas e eu mesma a navegar. Suspirei aqui e deixei florescer o sorriso por entre minha pele vestida de arrepios amenos. Viajei completamente. Beijosssssss

    ResponderExcluir
  28. Amiga,
    Passei para deixar um super beijo..
    O mar.... amor..
    Volto em breve,

    ResponderExcluir
  29. Cara amiga.

    A vida é este barco, estes desejos, estas chegadas e partidas.
    Não poderia ser diferente e assim será enquanto formos apaixonados por esta vida.

    Fica com os sonhos sempre.

    ResponderExcluir
  30. Dri querida!
    Que bom te ver de volta...

    Que bom que navegaste comigo... é um prazer te ter como companheira de viagem!

    Obrigada pelas palavras,
    Bjão

    ResponderExcluir
  31. Braulio, amigo

    sonho no mar
    suave maresia
    no teu barco remar
    ao infinito eu ia


    Então, vamos lá...
    Tua companhia me agrada e teus versos tb!

    Obrigada por vir,
    Bjssss

    ResponderExcluir
  32. Amiga Rossana

    Isso é uma verdade, Esperança eu nunca perco, por mais que as águas sejam rasas!!!!A maré sempre sobe mais cedo ou mais tarde...eu sei que sobe!

    Obrigada pelo teu carinho,
    Te gosto muito!

    Bjão

    ResponderExcluir
  33. Lunna querida!

    Então somos duas perdidas neste imenso mar de amar...
    Obrigada amiga, tu és uma companhia e tanto!


    Bjão carinhoso pra ti!

    ResponderExcluir
  34. Rê, minha doce amiga!

    Que saudade de ti, fazes falta!

    Volte logo mesmo...o mar está mais triste sem o teu barquinho colorido!!!

    Tudo de bom pra ti,
    Bjssssssssss

    ResponderExcluir
  35. Oi, Aluísio

    Este barquinho vai e vem ao sabor das ondas...da vida... os sonhos devem ser as correntezas que remexem o fundo e nos empurram para navegar!

    Obrigada pela presença e pelas palavras queridas!

    Bjão

    ResponderExcluir
  36. Maria Augusta querida!!

    Falsa calmarias...por baixo escondem correntezas que até Deus duvida!!!!!!!Às vezes, é difícil segurar o barco... paciência, paciência, paciência!

    Gosto quando vens aqui,
    Bjs

    ResponderExcluir
  37. Muitos afirmaam que o oceano é a placenta do planeta. E que o líquido aminiótico contém todas as propriedades oceanicas.
    Sendo assim somos um gota oceânica e como tal conhecemos os profundo abissais.
    Vejo o barquinho preso por amarras, fundiado. Seguro por âcoras e fatechas.
    Içar velas e orientá-la para que os novos ventos encontrem nas velas a resitência suficiente para levá-lo a portos seguros.

    Adooreiii sua visita!!

    Bei9jos, amiga!! Boa semana!!

    Hod.

    ResponderExcluir
  38. Wania
    Suave o barco ancorado.A maré pode subir e ele estará seguro.Assim desejo.
    abraços amiga

    ResponderExcluir
  39. ai que ansia tem o barco de um cais, ora cansado de tantas viagens, ora partindo para novas aventuras, resta-nos na vida de vez em quando atracar, porque mesmo no mar tem dias de calmaria e tem dias de assustar. bjs Wania.

    ResponderExcluir
  40. eu tambem te gosto muito:))) beijos

    ResponderExcluir
  41. Aparentemente tudo sob controle! (rs*) Beijus,

    ResponderExcluir
  42. Poema de Nice, a cadência muito suave, que lembra espirrar muita água. Um abraço.

    ResponderExcluir
  43. Não tenho... adoraria ter.

    E minha saudade navega em águas assim, maré bem baixa.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  44. Halley

    Sair do lugar...é tudo que este barquinho quer!!!
    Obrigada pelo rico comentário.

    Adoro quando vens aqui tb,

    Bjão carinhoso pra ti

    ResponderExcluir
  45. Lis

    Apesar da aparência franzina, ele aguenta bem as marés... que ache um porto seguro!

    Obrigada pela preença de sempre,
    Bjsssss

    ResponderExcluir
  46. Cris querida

    ai que ansia tem o barco de um cais, ora cansado de tantas viagens, ora partindo para novas aventuras, resta-nos na vida de vez em quando atracar, porque mesmo no mar tem dias de calmaria e tem dias de assustar

    Que lindas e sábias palavras...
    Obrigada por enriquecer o meu cantinho com elas!

    Bjinhos

    ResponderExcluir
  47. Myra

    Que bom saber disso...
    VIda longa à nossa amizade!!!!

    Bjão

    ResponderExcluir
  48. Oi, Luma

    Aparentemente...risos!!!
    As calmarias tentam, mas não enganam!!!!


    Obrigada por vir e comentar,
    Bjão

    ResponderExcluir
  49. Bem vindo El Drac

    Obrigada pelas palavras e pela visita!
    Porta sempre aberta pra ti por aqui...

    Bjs

    ResponderExcluir
  50. Cris

    Paciência é aprendizado, eu me esforço...rsrsrs!

    A saudade é boa navegora, infelizmente...

    Bom te ver por aqui,
    Bjsssss

    ResponderExcluir
  51. Que linda sua superfície espelhando tanto amor e transbordando poesia!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  52. Obrigada, Larinha

    Gostei muito desta imagem, foi ela que me inspirou, sabia?

    Bjão e boas férias

    ResponderExcluir
  53. Realmente trás uma calma esse poema,as águas dos mares nos dão a paciência que queremos alcançar.
    beijos.

    ResponderExcluir
  54. Obrigada, Thalita

    Alcançar a paciência é um aprendizado..que o mar nos ensine, então!

    Bjs

    ResponderExcluir
  55. Linda metáfora: a calma da superfície e as revoluções profundas...

    Beijos, Wania!

    ResponderExcluir

"Uma palavra caída
das montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras mais distantes..."
(Cecília Meireles)

Que bons ventos te tragam mais vezes!