domingo, 6 de novembro de 2011

Teoria lacrimosa de uma sabedoria cortante...

Imagem da internet




Teoria lacrimosa de uma sabedoria cortante:

deveria ter dedicado mais tempo à cozinha,

Lá... só as cebolas me faziam chorar


(Wania)









48 comentários:

  1. GRande sacada!Muito legal! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. SOU MYRA como ANONIMO!
    hahahahahaha!!!!!!!!!! quanto gostei! adoro teu sentido de humor!!!!

    ResponderExcluir
  3. Assim, o choro cortado tem hora para surgir e desaparecer!

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Wania,

    As cebolas fazem chorar, mas não guardam nem contam histórias...

    Em compensação, o sal das minhas lágrimas sentidas sempre deixa um rasto previsível e eu posso dizer em alto e bom som: vivi!Bjs

    ResponderExcluir
  5. Das lágrimas que não caem doídas...:-)

    Beijos, Wania.

    ResponderExcluir
  6. WAnia!

    É mesmo, quer dizer NÃO! O outro choro é sempre melhor, melhor a razão;

    Como sempre lindo!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  7. Querida Wania,

    Este é o canto do encantamento! Você já tem livro publicado? Nem preciso desejar, mas tenha uma semana de inspiração e encantos.
    Girassóis nos seus dias. beijos

    ResponderExcluir
  8. Viver é perder cascas constantemente.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. ai, como diz nossa amiga Hercília, que miúdo!, é por isso que eu não gosto de cozinhar,rsrsr

    ResponderExcluir
  10. as cebolas também são cruéis

    beijo guria!

    ResponderExcluir
  11. Oi Wania
    a fase amélia vai longe
    agora sou ótima dona de casa, ligo e peço pra mandar ... rs
    choros... esses estou também dispensando.rs
    meus abraços kirida

    ResponderExcluir
  12. é ai agente aproveita e chora de verdade,é de cortar o coração este seu poema.

    bjs depois do jantar
    ns

    ResponderExcluir
  13. e eu que não acreditava que cebolas fizessem chorar...

    ResponderExcluir
  14. num tempo da delicadeza...adoro Chico!

    bjs
    ns

    ResponderExcluir
  15. Pensando no trabalho que escolhestes, é preferível as lágrimas causadas por cebolas, minha querida.

    Você me encanta sempre com esse talento para a concisão poética de lirismo contundente.
    Tão bonito e bem sacado teu poema.

    Bjs♥
    Rossana

    ResponderExcluir
  16. A poeta até no descascar cebola concreta a poesia... olha menina, sempre bom estar aqui te lendo.

    um beijo grande.

    Carmen Vidráguas

    ResponderExcluir
  17. wania,
    quando apliquei lentes de contacto infirmei uma teoria: nem todos os olhos lacrimejam quando expostos às cebolas :)
    beijinho!

    ResponderExcluir
  18. Myra,


    Teu gostar sempre me deixa feliz! :)



    Bjsssss

    ResponderExcluir
  19. Oi, Pedra do Sertão


    É bem mais fácil deste jeito...



    Obrigada por vir e comentar!
    Bjs

    ResponderExcluir
  20. Julieta,

    Às vezes, eu preferiria não deixar rastro tão salgado como testemunha de algumas histórias...


    Bj grande, amiga!

    ResponderExcluir
  21. Taninha,


    Estas não deixam marcas, com certeza...


    Bjão, querida!

    ResponderExcluir
  22. Mirze,

    Quem derá nunca tivéssemos razão pra chorar...


    Bj imeeenso pra ti!

    ResponderExcluir
  23. Celina, querida!

    O colorido da tua presença aqui, me enrgiza sempre! Obrigada.


    Bj grande e dias lindos pra ti tb.

    PS: tenho um livro publicado em parceria com outras 11 poetisas, chama-se: Maria Clara, UniVersos Femininos.

    ResponderExcluir
  24. Lê,


    ...mas tem umas que são tão doídas de se soltarem, não é mesmo?


    Bjks e até breve, em Porto Alegre ;)

    ResponderExcluir
  25. Adriana,

    Estás coberta de razão, minha amiga!
    Rir é muito melhor! ;))))


    Bjão

    ResponderExcluir
  26. Tonho,


    Às vezes, infelizmente, ele se machuca...


    Bj grande

    ResponderExcluir
  27. Fouad,


    ... mas pelo menos deixam um gostinho bom! ;)


    Bj imeenso, meu querido!

    ResponderExcluir
  28. Cris, obrigada!


    Tuas palavras sempre me incentivando!


    Bjs mil

    ResponderExcluir
  29. Lis,


    XÔÔÔ, Amélia!
    Ando igualzinha, dispensando o fogão, o choro e as perfeições!


    Bjão, amiga!

    ResponderExcluir
  30. Oi, Berzé!


    Agradeço o teu comentário! :)


    Bjnho terno

    ResponderExcluir
  31. Nelson,


    ... bahhh, se aproveita! Chora-se por tudo, até secar o pote!



    Bj de batata sorriso, pois as cebolas sempre acabam! Ainda bem :))))

    ResponderExcluir
  32. Maggie May,


    ... e como fazem, dependendo do dia, chora-se muuuuito! ;)


    Bjks

    ResponderExcluir
  33. Tonho,


    Ando preferindo administrar as panelas, ultimamente, meu amigo... mas deixa eu passar a pontinha do avental nesta tua lágrima, não gosto de ver ninguém chorando!


    Bjão pra ti.

    ResponderExcluir
  34. Nelson

    Como é difícil, às vezes, a gente se desvencilhar da gente... mas as delicadezas estão aí, fazendo a gente se encontrar!

    Tb adoro o Chico!


    Bjs de seguir.

    ResponderExcluir
  35. Rossana,


    O que me "corta" lá, deixa cicatriz profunda...


    Obrigada por tanta consideração ao meu trabalho, vindo de ti é um elogio imenso!

    Bjão, amiga!

    ResponderExcluir
  36. Carmen, é verdade mesmo, mas fazer o quê, né, amiga? Deus nos livre, como bem disse Adélia, se olharmos uma pedra e enxergarmos uma pedra... rsrs!



    É sempre bom te ter aqui!

    Bjinhos

    ResponderExcluir
  37. Oi, Rafael!


    Que bom que gostaste, fico feliz em saber!



    Bjs

    ResponderExcluir
  38. Bem vindo, Jorge!

    Vou experimentar esta tua teoria não tão lacrimosa quanto a minha, uso lentes, mas, geralmente, não as uso para cozinhar! ;)


    Prazer te receber aqui, meu amigo!
    Bj grande

    ResponderExcluir
  39. Engraçado, e é verdade, as cebolas nos fazem chorar, rssss
    bjus

    ResponderExcluir
  40. Na cozinha podemos estar sozinhos, e somente as laminas podem cortar-nos enquanto por lá o lacrimejar é consequencia das cebolas, somente delas...e não deles ou delas!

    Muito bom e profundo, adorei minha cara Wania.

    ResponderExcluir

"Uma palavra caída
das montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras mais distantes..."
(Cecília Meireles)

Que bons ventos te tragam mais vezes!