terça-feira, 7 de abril de 2009

Hoje palpamos a poesia...


Cor de caramelo....
Bilhetes...
Duas voltas completas...
Fotografias antigas...
O crepúsculo enferruja quando noite fica ácida...
Quando me enrosco no teu pescoço...
Faltei a aula pela morte de um amigo...
Eu deixei de falar de Deus...
Falei demais até a língua dormir...
Dois suspiros fundos e um breve...
Quando abana o rabo...
Cachecóis, casacos e sonhos...
Deixando a chuva cair...
Rezo e dou 3 pulinhos...
Marca encontro sem data...
Minha barriga...
O sal fica no espelho...
Na gaveta dos sonhos...
Um leão...
Quando o sapato aperta ...
No barbante preso na maçaneta da porta....
As formigas carregam as migalhas da rotina...
Um verme morto de fome....
O cheiro de terra molhada....
Lendo um romance...
Quando ele me faz rir...
Prosa e verso...
O pai da neve é o avô do vento...
No gancho descança a colher de pau depois do almoço feito...
Dobro o corpo para estender a mão...
Quando o dia amanhece...
Num chapéu velho plantaria flores...
Já trincou de velho...
O vitral empresta sua cor para a cena...
Chuva...
Dente...
O erro foi meu...
Meus pais são uma casa de madeira...
Laranjas se apagam quando alimentam pássaros..
Tira-se água de violão deixando a tristeza chorar...
O serrote toca quando o apito da fábrica acompanha...
A chama prende seus cabelos grisalhos num coque atrás da nuca..
Maldade feita com bondade mata sem sujar as mãos...
Bondade feita com maldade é um copo de veneno em cima do piano...
A primeira vez abri 4 botões apressadamente...
O melhor diálogo e eu comigo mesmo...
Eu escondo na parte de cima do meu guarda-roupa o que serei no inverno...
A queda na infãncia me deixou um alinhavo no rosto....
Pisar em vidro é chorar duas vezes...
Mais grave que pisar em palavras é guardar para vomitá-las depois...
A solidão nunca termina quando encontra uma irmã...
Embaixo da mesa o mundo é invertido...
Uma toalha de mesa não é lençol porque não tem o cheiro dos nossos corpos...
Ele nunca entendeu o que eu não quis dizer...
A cadeira de balanço não gosta do barulho do mar...
O que prova que eu vivi é o rastro das minhas pegadas na vida dos meus filhos...
A indiferença destrói o amor...
Nunca mais encontrei o broche de marcacita...
O quintal cheio de margaridas...
A falta que minha vó me faz aos domingos...

7 comentários:

  1. Ei Wania! Qta sensibilidade...Amei!
    Passe la em casa depois e pegue um selingo que fiz pra ti. Bjos,

    Gil

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Gil!
    A_M_E_I !!!!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. lindissimo post, gostei daqui.
    Tenha uma feliz Páscoa
    Maurizio

    ResponderExcluir
  4. Oi, Maurizio
    Obrigada pelas palavras e pelo carinho!

    Sempre bem-vindo aqui!
    Volte sempre.
    Uma Páscoa muito doce pra você também!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Lindo o teu texto a tua sensibilidade o carinho que empregas no que fazes... adorei imenso.
    Bjs grandes em ti amiga,
    Nuno

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Nuno...
    Veio mesmo do fundo d'alma!!!!
    Um bj carinhoso pra ti.

    ResponderExcluir

"Uma palavra caída
das montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras mais distantes..."
(Cecília Meireles)

Que bons ventos te tragam mais vezes!